Diego Brito
 

Diego Brito

Empreendedor, publicitário, palestrante e professor. Há 17 anos no mercado, fundador de diversas agências de marketing digital e propaganda, atualmente CEO na General Marketing.

Quer me convidar para palestrar em seu evento? Me mande uma mensagem.

Diego Brito

Empreendedor, publicitário, palestrante e professor. Há 17 anos no mercado, fundador de diversas agências de marketing digital e propaganda, atualmente CEO na General Marketing.

Facebook Twitter LinkedIn Google+  

Porque devemos lamentar a morte de Steve Jobs

26461

É com muita tristeza e, ao mesmo tempo, felicidade, que escrevo esse post, em decorrência do anúncio do falecimento de Steve Jobs (1955-2011). 

Steve foi uma pessoa emblemática e de personalidade forte, conquistou fãs e incomodou muita gente. Entre seus maiores rivais esteve Bill Gates, fundador da Microsoft. No entanto, Bill também ajudou Jobs em algumas ocasiões e podemos dizer que a relação entre os dois sempre foi a de amigos e rivais.

Steve Jobs e Bill Gates em 1984

Steve Jobs e Bill Gates em 1984

Falar de Steve Jobs é o mesmo que falar sobre ums dos “pais” da computação e da tecnologia. Estamos falando de um legado de 317 patentes registradas por este inventor. E entre elas estão ferramentas indispensáveis do nosso dia a dia, como o computador pessoal, o mouse, o teclado, entre muitas outras. Os fãs de Jobs permeiam diversas gerações, desde os fãs do Macintosh (hoje conhecido apenas como Mac), aos fãs dos gadgets iPod, iPhone e iPad.

Além de inventor Jobs foi um grande empreendedor. Fundou a Apple em 1976, em uma garagem, e fez dela a empresa mais valiosa dos Estados Unidos. O que não impediu que em 1985 ele tenha sido “expulso” da empresa, pelo conselho de administração. Nesse interim, enquanto esteve fora da Apple, ele aproveitou para fundar a NeXT (empresa que foi comprada pela Apple anos depois). Jobs também comprou a Pixar e produziu o primeiro filme infantil animado na sua totalidade por computador, Toy Story. Em 1997 a Apple passa por sérios problemas financeiros (com o risco da empresa falir) e Jobs reassumiu a empresa tornando-a o sucesso que é hoje. Em 2006 a Walt Disney Company adquiriu a Pixar por 7,4 bilhões de dólares. A Disney/Pixar é atualmente o maior estúdio de filmes animados do mundo.

Trabalho dedicação, perfeição e amor pelo que faz. Foram os ingredientes da receita de sucesso de Steve Jobs. Ontem o mundo perdeu um homem que irá fazer falta. Alguém que imprimiu uma história através da superação, competência e amor pelo que faz. Encerro este post com as palavras de Steve Jobs sobre a morte, proferidas durante um discurso de colação de grau em Stanford (12 de junho de 2005).

“Ninguém quer morrer. Mesmo as pessoas que almejam o Paraíso não querem morrer para chegar lá. Ainda assim, a morte é um destino que nos espera a todos. Ninguém jamais escapou dela. E isso é como deveria ser porquê a morte é provavelmente a mais bela invenção da vida. É o que renova a vida. É o que tira o velho do caminho e abre espaço para o novo.”

Steve Jobs

Confira o discurso completo no vídeo abaixo:

[box]Ual! A Revista ProXXIma, do grupo Meio & Mensagem, publicou a minha nota de homenagem ao Steve Jobs. A Revista tinha saído em Novembro e só vi hoje (22/12/2011) 😛 [/box]

Revista Proxxima, edição novembro de 2011

Diego Brito

Empreendedor, publicitário, palestrante e professor. Há 17 anos no mercado, fundador de diversas agências de marketing digital e propaganda, atualmente CEO na General Marketing.

Facebook Twitter LinkedIn Google+